Lojas com Magento no Brasil, versão 2016

O que temos de novidades no mundo do Magento Brasil em 2016? Como sempre, faço uma lista com algumas lojas que usam a plataforma aqui no Brasil, pra que vocês olhem e explorem suas possibilidades. E se vocês têm sugestões de sites, escrevam nos comentários!
Continue reading “Lojas com Magento no Brasil, versão 2016”

Suporte para lojas virtuais Magento

Suporte Magento - imagem: Volker Möhrke

Certo, você acredita que não precisa de uma empresa que possa dar suporte permanente para sua loja Magento. Você faz as contas e imagina que R$ 500,00, R$ 1.000,00, R$ 1.500,00 por mês é muito dinheiro para alguém que “não vai fazer nada”, só “olhar a minha loja virtual” e “corrigir uns pequenos problemas de vez em quando”. Para uma empresa que fatura 10 ou 15 mil reais por mês, isso é um valor muito alto, não dá para gastar.

Posso até concordar com a última afirmação: investir 5 ou 10% do faturamento bruto contratando um serviço fixo de suporte a lojas Magento parece muito e pode ser a diferença de caixa necessária para manter a sua empresa. Se você – e somente se – você estiver nesse caso, terá o meu perdão (estou brincando, quem sou eu para perdoar um lojista!). Mas nos outros casos, tenha uma coisa em mente: você não pode deixar de ter alguém que dê suporte constante em sua loja virtual.

O grande ponto é que só percebemos a importância de um serviço quando ele falta. Estou escrevendo esse artigo algumas semanas antes, exatamente no dia em que o Whats App parou, por conta de uma determinação judicial. Até agora, ninguém havia se dado conta do quando depende do aplicativo. Em poucas horas, os usuários passaram a dar valor e não duvido que, se alguém fizesse uma pesquisa hoje, as pessoas pudessem até mesmo pagar para ter acesso ao serviço.

Se olharmos um suporte apenas pelo lado do custo, R$ 500,00 é um valor alto, para ser sangrado do caixa em algo que está funcionando normalmente. Se olharmos pelo lado das oportunidades de crescimento, ter uma empresa que preste um suporte de qualidade, monitore e atualize sua loja virtual, verifique os possíveis problemas e seja seu braço direito na hora de implementar modificações e melhorias no sistema, a coisa muda de figura.

Será que você não recupera esse valor com um sistema mais estável, com uma empresa que possa ajudá-lo a implementar melhorias ou até mesmo com uma rápida recuperação em caso de problemas?

Assim, pense bem! Qual é o papel de uma empresa de suporte para sua loja virtual? Quem faz essa manutenção? Essa pessoa é competente e tem as qualificações necessárias? A empresa está pronta para agir em um momento de emergência? Se uma loja virtual ficar um dia fora do ar, o prejuízo será sentido imediatamente e será grande. O que você diria de tantas lojas virtuais com erros que ninguém percebe e que resultam em vendas perdidas, carrinhos abandonados e clientes insatisfeitos?

Correndo o risco de soar comercial, mas boas empresas merecem ser recomendadas. Para dar suporte à sua loja Magento, converse com o pessoal da Suporte Magento e da Diamix. Faça uma cotação com eles e não deixe sua loja virtual parar por falta de manutenção.

Finalmente, testei o Magento 2

Sim, finalmente consegui testar o Magento 2 no sentido de ter feito minha própria instalação. E não foi tão fácil como eu gostaria – embora os maiores problemas foram causados por mim mesmo, como vou explicar a seguir. De todo modo, finalmente consegui instalar o Magento 2 do zero, depois de ter feito um teste meses atrás, ainda na versão em desenvolvimento e em cima de um WAMP, como expliquei no post “Minhas impressões sobre o Magento 2 (não, ainda não!)”.

Meu primeiro problema foram os requisitos do Magento 2. Tenho uma VPS na Knownhost, porém sempre uso versões mais conservadoras, por se tratar de um ambiente de produção, o que significa que ela não atende ao Magento 2. Meu Wamp na máquina de trabalho também não atendia e não consegui incrementar os recursos. Por conta disso, parti para uma VM, em cima do Virtualbox, tudo isso para conseguir testar o Magento 2.

(Acho que você não vai ter problemas com isso, a própria Knownhost já utiliza versões mais novas do PHP e do MySQL em suas novas contas; fui eu quem não atualizou na minha própria VPS. Além disso, você pode fazer muitas coisas diferentes do que eu fiz e, provavelmente, percorrer caminhos muito mais fáceis)

Há muitos anos, a minha distro de preferência para servidores Linux é o CentOS. O problema (ou seria diferencial) é que muita coisa nele é bloqueada e muita coisa tem que ser instalada à parte. De qualquer forma, parti de uma máquina com PHP 5.6 e MySQL 5.6, já com boa parte dos bloqueios resolvidos. Subi os quase 200Mb de arquivos do Magento, criei o banco de dados e comecei a rodar o processo de instalação (que no meu caso, está em um endereço local, chamado dev.magento2).

Instalação do Magento 2

Aceitei os termos e fui adiante. Mesmo tendo deixado tudo em ordem, ele ainda me pediu uma modificação no php.ini (para mudar o registro always_populate_raw_data para -1) e a instalação do php-intl. Não sei como andam os php.ini dos provedores convencionais, mas se eles não tiverem essa chave definida como -1 e não derem a opção de customizar o php.ini para seu site específico, bye bye, Magento 2. Verifique com seu provedor.

Instalação do Magento 2

Tudo certo! Seguem os passos convencionais, quase iguais ao que o instalador do Magento 1 trazia. Primeiro o banco de dados.

Instalação do Magento 2

Depois, os dados do website. Perceba que o próprio Magento já gera um endereço de administração personalizado, aprendizado das brechas de segurança que um endereço padrão trouxe para a primeira versão.

Instalação do Magento 2

No Magento 1, essa tela era a primeira. Agora há também a possibilidade de customizar os módulos que serão instalados.

Instalação do Magento 2

Por fim, os dados do administrador.

Instalação do Magento 2

E a instalação propriamente dita. Ainda tive uns problemas nessa etapa, por culpa das restrições do CentOS. Não foi culpa do Magento, mas ele sempre tem que levar uma parte da culpa! O erro que ele me apontava não tinha nada a ver com a ausência de permissão de escrita, o que me fez perder uns bons minutos.

Instalação do Magento 2

Lembre-se que o endereço dev.magento2 é fictício. Defini para uso apenas com minha máquina virtual, em minha rede.

Instalação do Magento 2

Aí, começamos a brincadeira com o Magento 2 em si. Bom, aqui posso voltar ao que eu já tinha visto em outras lojas demonstrativas mas estava esperando conseguir eu mesmo instalar para poder expor minhas opiniões. Antes que atirem as pedras, vou fazer uma declaração: trabalho com Magento desde 2008 e sempre gostei muito da plataforma. Porém, infelizmente, a Magento Inc. não tem feito a parte dela e a cada dia que passa, sinto mais inclinado a buscar outras opções no mercado. Opções que sejam mais completas desde a base e não precisam de N módulos, feitos por desenvolvedores que não primam pelo zelo em seus trabalhos.

Depois de cinco anos de desenvolvimento, o Magento 2 é mais do mesmo. Certo, entendo que mudou muita coisa, entendo que existem coisas novas dentro dele, como a adoção do Bootstrap,  o enterro de Prototype/Scriptaculous (que Deus os tenham), a adoção do Composer. Provavelmente, o código também deve ter mudado (não consegui ainda ir a fundo em como ele está estruturado). O que vou falar aqui é do ponto de vista do lojista e não do desenvolvedor.

O painel me traz a ideia de que as coisas apenas mudaram de lugar e pra pior. Um dos itens que eu mais tenho dificuldade ao lidar com o lojista são os tipos de produtos. Posso dizer com três livros escritos: é muito complicado de explicar para o lojista que ele primeiro precisa construir a coleção de produtos simples para depois atrelá-los a um produto configurável. Na cabeça do lojista, um produto com N cores e N tamanhos continua sendo um produto. Há formas de se melhorar isso, investindo em um novo construtor de produtos, mas ele não está no Magento 2.

Outro exemplo são as categorias. Qual é a diferença entre Categoria Raiz e Sub-Categoria? No Magento, nenhuma. Mas isso continua ali, exatamente como a tela de edição de categorias continua intocada, apenas com uma maquiagem. Outras tantas funções simplesmente mudaram de lugar, para confundir quem já mexia no M1 e agora quer ir pro M2, sem acrescentar nada.

Frontend do Magento 2

Pra complicar, estou escrevendo esse post no final de janeiro e neste momento, não há módulos que façam a integração do Magento 2 com os Correios ou com os principais métodos de pagamento. Ou seja, usar Magento 2 no Brasil hoje é inviável. A outra questão é: por quanto tempo isso vai continuar assim? Confesso que por um tempo eu quis que a minha profecia estivesse errada (de que o Magento 2 levaria vários meses para estar apto a ser usado no Brasil), mas acho que isso não vai acontecer.

Talvez eu esteja sendo um pouco duro, até porque esperava muito mais do Magento 2. Ele me fez sentir novamente na versão 1.0, lá em 2008, quando tudo no Magento era complicado e se perdia muito tempo. O que vocês me dizem? Como vocês estão usando o Magento 2?

Minhas impressões sobre o Magento 2 (não, ainda não!)

Depois de muito tempo, parece que agora vai! A Magento Inc. promete o lançamento oficial do Magento 2 para o final desse ano e estamos quase chegando lá. Já havia olhado algumas instalações de testes, feitas por colegas aqui no Brasil e em outros países, mas até agora não havia tomado coragem de fazer o download e instalar o Magento 2 em uma máquina própria. Para isso, fui até o repositório do Magento 2 no Github e segui as instruções que estão nos comentários, logo abaixo dos arquivos.

Você tem a opção de fazer o download diretamente da página do repositório ou cloná-lo, usando seu método favorito. Utilizei o Source Tree, bem prático pra quem já tem um pouco de experiência em Git e totalmente confuso pra quem está dando os primeiros passos. Se é o seu caso, faça o download direto e não se preocupe em clonar o repositório. Enquanto o download era feito, fui atender o segundo requisito: o Composer.

Para facilitar a vida – e como em meu servidor de produção, Linux, não tenho o PHP 5.5 e não gostaria de mexer nisso agora – preferi instalar o Magento 2 em meu próprio desktop, usando o Wamp como servidor. Acho que não foi uma boa escolha e penso que isso tenha sido decisivo no fato de eu conseguir concluir a tarefa.

O Composer deu uma engasgada na hora da instalação: ele dizia que o OpenSSL não estava habilitado, mesmo eu tendo feito isso manualmente no painel do Wamp. O detalhe é que, por algum mistério, o php.ini da pasta onde o executável do PHP está localizado realmente trazia a linha referente ao OpenSSL comentada. Resolvido, isso, o Composer foi baixado e instalado sem problemas. Aí, fui começar a instalação do Magento e me deparei com outro problema. Não havia percebido que o meu Wamp também não era 5.5 e portanto, precisei atualizá-lo, algo que me custou mais algum tempo, até instalar e configurar todas as extensões.

Parênteses: só depois de ter instalado o Composer, percebi que meu PHP era o 5.4 e o Magento requer o 5.5. Vvocê deve ter o PHP 5.5 antes de instalar o Composer, já que o segundo dependerá do primeiro para funcionar direito. Optei por desinstalar e reinstalar o Composer, apontando a versão correta do PHP.tela de verificação do Magento 2 - imagem: reprodução

Depois de organizado e com Composer atualizado, tudo pronto para seguirmos adiante! Os passos são muito similares à instalação do Magento 1 – basta acessar via navegador, aceitar a licença, fazer uma verificação dos requisitos, informar os dados do banco de dados e… a partir daqui, só sei por conta de outras pessoas que instalaram o Magento 2 e compartilharam telas, porque não consegui passar do banco de dados.

Por alguma falha na minha instalação ou no próprio instalador do Magento 2, ao informar as credenciais do banco de dados e clicar em Next, nada acontecia. Nenhum mensagem de erro, nenhum aviso, nenhum retorno no console. Nada. Pra que não tivesse que desistir dessa tarefa – e desse post – até tentei ainda instalar o Magento 2 via CLI, chamando o setup/index.php via comando. Só que ele também não funcionou – e isso sei que é por conta do meu servidor local. Depois de quase três horas mexendo nisso, desisti.

Pior, depois que tinha desistido e estava já escrevendo esse post, fez-se a luz: minha versão do MySQL é a 5.5 e o Magento 2 pede a 5.6. Provavelmente, essa é a causa do erro. Depois de três horas de aprendizado, não será hoje que vou corrigir isso e tentar seguir adiante nos testes.

De todo modo, aprendi algumas coisas:

  • não sei como ficará na versão definitiva, estável, mas o Composer certamente será um obstáculo para usuários inexperientes.
  • a exigência do PHP 5.5 também poderá ser um complicador, embora será muito mais fácil de solucionar do que era o PHP 5 quando o Magento foi lançado em 2008.
  • o MySQL não é um problema; fiquei preso nele porque uso uma versão um pouco mais antiga do Wamp.

Quanto aos arquivos, as pastas mudaram, como era esperado. Chama a atenção a pasta vendor, que inclui os pacotes gerenciados pelo Composer, e a pasta dev, com testes e ferramentas adicionais. Apesar de haver uma pasta app, com code e design dentro dela, o conteúdo está bastante modificado. Quanto ao painel, vamos ver se nas próximas semanas consigo concluir essa instalação e poderei testá-lo, tanto quanto à estabilidade, como quanto à usabilidade.

Magento, amado e odiado ao mesmo tempo

Magento, amado e odiado - imagem: Tim Pannell/Corbis

A pergunta que vale um milhão de dólares é: “por que o Magento é amado e odiado ao mesmo tempo?“. Sim, porque esse é o sentimento que temos quando falamos de Magento, uma relação de amor e ódio, aprofundada cada vez que a loja virtual dá problema pela décima vez no ano. Como já comentei quando escrevi sobre o porquê de o Magento dar tanto problema, há muitas dúvidas quando se fala da plataforma e aliado a alguns erros estruturais, é muito fácil passar a detestar o Magento quando ele novamente testa a nossa paciência.

Continue reading “Magento, amado e odiado ao mesmo tempo”

Preparando sua loja virtual para o Natal – parte 3

Muitas pessoas vão querer apagar esse ano de 2014 do mapa: foi um ano de resultados pífios para a maioria dos setores, com o Brasil crescendo muito pouco, ainda que todas as oportunidades tenham sido dadas. Mas o ano ainda não acabou e a melhor época para as vendas chegou. É hora de preparar sua loja virtual para o Natal, nessa série com três artigos.

Preparando a loja pro Natal - imagem: Tim Pannel/Corbis

Estamos quase entrando no mês de dezembro e é hora de suas campanhas para atrair mais clientes para sua loja virtual começarem a ganhar vida. Nesse último artigo da série de três posts sobre como preparar sua loja virtual para o Natal, é hora de abordar os pontos do dia-a-dia de sua loja durante o mês de dezembro. São poucas coisas, quase detalhes, mas que farão a diferença entre um ótimo resultado e uma decepção total.

Continue reading “Preparando sua loja virtual para o Natal – parte 3”