Ferramentas para sua empresa – parte 4/4

A web está repleta de ferramentas para auxiliar sua empresa a crescer, vender mais e ser mais eficiente. Mas como escolher as ferramentas certas? Quais as ferramentas indicadas para cada uso? Esse tutorial fala sobre isso.

8) Redbooth

Redbooth - imagem: reprodução

Endereço: www.redbooth.com

Ainda que não tenha  mais a versão gratuita (apenas por um período de testes), o Redbooth segue como uma excelente opção de ferramenta de gestão de projetos, de modo a organizar as tarefas de seu time, separando por projetos e listas. Se você achar que é muito caro pro que você necessita, dê uma olhada em outras ferramentas como Wunderlist, Trello e Evernote.

9) Dropbox

Dropbox - imagem: reprodução

Endereço: www.dropbox.com

O Dropbox é uma excelente ferramenta de backup, controle e compartilhamento de arquivos. A versão gratuita vem com 2GB de espaço (o que convenhamos, não é muito), mas já serve pra você tomar conta de seus arquivos mais sensíveis. Se quiser mais espaço, ele custa USD 9,90 pra 1TB de armazenamento. Você vai lembrar desse serviço na próxima vez que o estagiário destruir algum arquivo importante.

10) Mailchimp

Mailchimp - imagem: reprodução

Endereço: www.mailchimp.com

Pra concluir esse tutorial com ferramentas para sua empresa, recomendo o Mailchimp. É uma ferramenta de envio de newsletters, gratuita para até 2 mil assinantes e 12 mil envios mensais. Mesmo que sua plataforma de comércio eletrônico já tenha a funcionalidade de envio de e-mails, você vai querer usar o Mailchimp, pela facilidade e quantidade de recursos, além dos relatórios bem elaborados.

Ferramentas para sua empresa – parte 3/4

A web está repleta de ferramentas para auxiliar sua empresa a crescer, vender mais e ser mais eficiente. Mas como escolher as ferramentas certas? Quais as ferramentas indicadas para cada uso? Esse tutorial fala sobre isso.

6) Buffer

Buffer - imagem: reprodução

Endereço: www.buffer.com

O Buffer é uma ferramenta interessante para gerenciar suas postagens nas mais diversas redes sociais, como Facebook, Instagram e Twitter. Com a conta gratuita, você pode agendar até 10 postagens antecipadamente, deixando prontas as postagens que alimentarão sua fanpage ou seus mais diversos perfis. Ela também conta com análise das postagens, feita através de uma URL especial.

7) Feedly

Feedly - imagem: reprodução

Endereço: www.feedly.com

O Feedly é uma versão repaginada do velho e bom leitor RSS, que permite receber em um só lugar, todas as publicações das páginas que você seguir. A vantagem disso: você pode inscrever nos sites relevantes, como portais de notícias do seu setor, blogs, sites e até mesmo páginas de concorrentes, recebendo todas as novas postagens de maneira organizada. Assim, você fica muito mais atualizado.

Ferramentas para sua empresa – parte 2/4

A web está repleta de ferramentas para auxiliar sua empresa a crescer, vender mais e ser mais eficiente. Mas como escolher as ferramentas certas? Quais as ferramentas indicadas para cada uso? Esse tutorial fala sobre isso.

3) Canva

Canva - imagem: reprodução

Endereço: www.canva.com

O Canva é uma daquelas ferramentas que depois que você começa a usar, não quer mais largar. Ele pode ser usado pra fazer banners, anúncios, apresentações, tudo o que estiver ligado a design e peças gráficas. O plano gratuito tem algumas poucas limitações (não dá pra redimensionar arquivos, por exemplo), mas que não interfere no uso comum de uma pequena empresa.

Como destaques, você pode escolher entre tamanhos próprios para determinados usos, como topos de e-mail, anúncios no Facebook ou Google Adwords, portfólios e outros. Em cada categoria, a ferramenta traz uma coleção de peças prontas, que você pode usar de graça ou pagando uma pequena taxa (pequena mesmo, muitas vezes 1 dólar). A partir desse modelo, você monta a sua própria peça.

4) Pixlr Editor

Pixlr - imagem: reprodução

Endereço: www.pixlr.com

O Pixlr é um editor de imagens, que permite editar e tratar fotos, incluindo os efeitos básicos. A versão online gratuita dá conta do recado, sendo prático e fácil de usar. Você pode usar o Pixlr pra preparar as imagens que utilizará no Canva, já que este não tem um bom editor de imagens, apenas uma coleção de filtros, no melhor estilo Instagram.

5) TinyPNG

TinyPNG - imagem: reprodução

Endereço: www.tinypng.com

Depois que você preparou suas imagens, é altamente recomendável comprimi-las, reduzindo o peso do arquivo e facilitando o download pelo visitante. O TinyPNG se encarrega disso em poucos segundos, de maneira muito fácil, chegando a reduzir alguns arquivos em até 80% de seu tamanho.

Ferramentas para sua empresa – parte 1/4

A web está repleta de ferramentas para auxiliar sua empresa a crescer, vender mais e ser mais eficiente. Mas como escolher as ferramentas certas? Quais as ferramentas indicadas para cada uso? Esse tutorial fala sobre isso.

Ferramentas para lojas virtuais - imagem: Jean Sheijen/Free Images

Se é verdade que você deve ter profissionais – freelancers ou empresas – para auxiliar em diversas tarefas que estão relacionadas ao dia-a-dia de sua loja virtual, também é verdade que a maioria das pequenas empresas simplesmente não consegue alocar uma verba para contratá-los. O serviço de um profissional contratado sempre (vamos assumir que sim, sempre) ficará melhor que o serviço feito pelo próprio empreendedor, já que o profissional tem um melhor acesso às tecnologias e está mais antenado a novas ideias e possibilidades.

Como o dinheiro é curto, o empreendedor só consegue contratar uma pequena parte dos serviços necessários. O restante, ele tem que fazer por conta. A boa notícia é que o acesso a ferramentas profissionais é cada vez maior, muitas delas de graça. Da mesma forma, o acesso a como utilizá-las e como extrair o melhor é cada vez mais universal. Está bem, você não consegue pagar um profissional e isso não é um pecado. Mas não pode reclamar que você não tem tempo ou capacidade para aprender e menos ainda que não tem as ferramentas necessárias.

1) Como escolher as ferramentas?

Talvez antes de pensar em como escolher as ferramentas, é preciso pensar em que serviços você deverá fazer por conta própria e quais os conhecimentos necessários para isso. É mais ou menos como você definir que precisa de um jogo de chaves de fenda quando precisa bater um prego. Então, avalie quais tarefas do dia-a-dia de uma loja virtual você precisa assumir e quais alocará uma verba para contratar profissionais especializados.

Um exemplo que precisa de uma ferramenta física e outra digital pode ilustrar bem essa decisão. Como serão feitas as fotos de seu catálogo de produtos? Você utilizará as fotos fornecidas pelo fabricante (beeeee, quem acompanha esse blog ou leu meus livros sabe o que eu penso disso)? Você irá contratar um fotógrafo para isso? Ele terá um contrato mensal ou será acionado por demanda? Você terá alguém interno em seu time para fazer isso? Quem irá tratar as fotos? Quem cuidará da preparação?

Além disso, é preciso pensar em quem fornecerá os equipamentos para o estúdio? Que câmera fotográfica será utilizada? Que software será usado para preparar as imagens? É fácil adquirir uma máquina profissional? Essa máquina será usada várias vezes? Você sabe extrair o melhor da máquina ou tem tempo para aprender como fazer isso?

Pra cada uma das atividades – criação de banners, preparo de imagens, gestão da publicidade, criação de vídeos e outras -, você deverá pensar no que consegue fazer por conta própria e no que é imperativo contratar um profissional. Só depois de listadas essas atividades e compreendido o que você precisa para fazer um bom trabalho, é que você poderá pensar em que ferramentas serão necessárias.

Para a maioria das coisas, já existe uma ferramenta online, disponível para utilização sem a necessidade de instalação. Da mesma forma, muitas coisas ainda podem ser feitas com ferramentas instaláveis, que ficarão à disposição em seu próprio computador. Para escolher uma ferramenta, procure responder perguntas como:

  • Como é a qualidade de sua conexão de internet? Você fica muitas vezes com sinal indisponível? Tem uma conexão redundante para o caso de longos períodos sem internet?
  • Você precisa usar a ferramenta em mais de um computador? Várias pessoas do time precisam ter acesso?
  • Quando se fala de ferramentas que rodam no navegador, como é a experiência de usuário? As telas abrem corretamente, os arquivos são salvos sem problemas, os elementos são posicionados conforme os seus movimentos? Se a ferramenta dá muito erro, não adianta, mesmo que seja gratuita.
  • Como é o processo para salvar os arquivos editáveis? Digo, as ferramentas costumam exportar os arquivos em formatos fechados, como JPG, PDF, etc., e não em formatos que podem ser editados em outros softwares, o que significa que a única forma de modificá-los no futuro é através da própria ferramenta.

2) Ferramentas pagas ou gratuitas?

Nessa mesma linha, é importante pensar em quanto vale a pena pagar pelo uso ou aproveitar as versões gratuitas. Alguns sistemas têm versões gratuitas bem completas, limitando apenas o número de usuários ou a possibilidade de exportar formatos abertos dos arquivos. Outras são tão restritivas que na prática tornam a versão gratuito apenas um aperitivo leve.

Outro ponto importante é em relação à estabilidade do sistema e à garantia. Muitas vezes o plano gratuito é fornecido as-is, isto é, do jeito que está, sem nenhuma responsabilidade por parte do fornecedor da ferramenta. Outras vezes, em caso de instabilidade do sistema, os clientes do plano gratuito estão em servidores diferentes, com menos recursos, de modo que os clientes pagos sintam menos. Independente de você utilizar um plano gratuito ou pago, é importante sempre estar atento e ter cópia (se possível) de seus dados.

Quando for necessário comprar uma licença, conforme o valor da licença ou mensalidade da ferramenta, vale a pena contratar o profissional – e ele terá sua própria licença do software. Na prática, é importante fazer as contas e verificar a melhor opção.

Opções de plataformas de e-commerce

Há tempos estou para escrever esse post (creio que ele está na lista de ideias de textos há mais de um ano), mas sempre deixei para depois, pois queria fazer um post completo, avaliar cada plataforma, instalando em um servidor próprio, vendo suas facilidades e dificuldades, quais são as vantagens e desvantagens de cada uma delas e para que tipo de lojista e clientes cada uma delas é mais adequada.

Como estou me justificando logo no primeiro parágrafo, já dá pra perceber que não foi dessa vez que fiz tudo isso a que me propunha. No entanto, cansei de ver esse tópico sendo postergado, à espera da data de concepção, e resolvi fazer algo mais simples. Assim, compartilho algumas experiências e tenho um ponto de partida para o futuro grande post sobre plataformas de comércio eletronico.

Escolhendo uma plataforma de e-commerce - imagem: Hiya Images

Aliás, não posso dizer que tenho grandes experiências com outras plataformas. Desde 2008, eu me especializei em Magento e ainda que tenha dado algumas chances a outras plataformas, nunca encontrei motivos reais para trocar de software, tendo que “aprender tudo de novo”. Isso mesmo em todas as vezes que o Magento me deu dores de cabeça. Portanto, vou fazer uma mescla entre as plataformas que tive algum contato e aquelas que conheço apenas de ouvir opiniões de terceiros.

1) Prestashop

Open source: Sim

Instalável: Sim

SaaS: Sim, gratuito, sem limite de produtos

URL: www.prestashop.com

Se eu não tivesse escolhido o Magento, hoje eu seria um especialista em Prestashop.  Já pensava nisso em 2009 e pelo que vi da última vez que testei a plataforma – agora em uma versão online, gratuita, com limite de X produtos – vi o quanto ela evoluiu, especialmente nos últimos dois anos. A plataforma parece muito mais estável, mais simples de usar e completa. Já tem integração com os principais meios de pagamento brasileiros, incluindo PayPal, PagSeguro e Cielo, além dos Correios.

Oferece também uma série de layouts e módulos adicionais. Não consegui determinar se eles já são páreo para a infinidade de add ons disponíveis no Magento. De todo modo, posso afirmar que o Prestashop é um sério concorrente para o Magento e merece a atenção dos desenvolvedores brasileiros.

Prestashop - imagem: reprodução

2) Woo Commerce

Open source: Sim

Instalável: Sim, como um plugin do WordPress

SaaS: Não

URL: www.woothemes.com/woocommerce

O Woo Commerce não é uma plataforma em si, mas um plugin adicionado ao onipresente WordPress, a plataforma inicialmente pensada para abrigar blogs e hoje presente em múltiplos sites ao redor do mundo. Independente disso, é interessante como o Woo Commerce vem crescendo e se aprimorando, especialmente nessa versão 2, lançada no começo do ano passado e que, ao que parece, finalmente o credenciou a ser uma opção de motor para um comércio eletrônico.

Ainda não testei o Woo Commerce, porém ouço falar bem dele. Minha impressão é de uma ferramenta para iniciantes, de fácil instalação e configuração, além de diversos temas já começarem a serem fornecidos com suporte às suas funcionalidades. Ainda que o WordPress seja um software potente, tenho minhas dúvidas sobre se realmente aguentaria uma operação de médio porte, com 40, 50 pedidos por dia.

WooCommerce - imagem: reprodução

3) Zencart

Open source: Sim

Instalável: Sim

SaaS: Não

URL: www.zen-cart.com

O Zencart é mais uma das opções de plataformas para e-commerce entre as “pioneiras” e ao que tudo indica, não evoluiu, especialmente se considerarmos o mercado brasileiro. Olhando apenas o site oficial, encontrei um módulo para integração ao PagSeguro (última atualização em 2012) e outro para integração aos Correios (última atualização em 2011), o que significa que não há muitas opções de módulos oficiais para as funções principais de uma plataforma.

O visual original dele é bem feio e antiquado, mas assim como no Magento, é possível adquirir e instalar outros templates.

Zencart - imagem: reprodução

4) Opencart

Open source: Sim

Instalável: Sim

SaaS: Não

URL: www.opencart.com

Também um dos softwares de e-commerce “mais antigos”, ele vem sendo atualizado (a versão 2.0 foi lançada em outubro de 2014) e conta com módulos para o Brasil, como integração com os Correios e para os principais meios de pagamento brasileiros, inclusive com a Cielo (ainda que a maioria dos módulos sejam pagos).

Opencart - imagem: reprodução

5) VirtueMart

Open source: Sim

Instalável: Sim, como um plugin do Joomla

SaaS: Não

URL: www.virtuemart.net

Assim como o WooCommerce, o VirtueMart é um plugin de comércio eletrônico a ser instalado no Joomla, plataforma para a criação de sites bastante popular. Buscando pelas principais extensões necessárias para um e-commerce no Brasil, não as encontrei no site oficial. No entanto, sei que há lojas por aqui que usam essa opção e portanto, em algum lugar deve haver uma forma de integrá-la a serviços como Correios e meios de pagamento.

Virtuemart - imagem: reprodução

6) Shopware

Open source: Sim

Instalável: Sim

SaaS: Não

URL: www.shopware.com

Essa plataforma alemã tem chamado a atenção na Europa e parece ter um ritmo bom de atualizações, o que pode indicar que ainda não é madura o suficiente ou que tem bons técnicos trabalhando constantemente nela. Não consegui localizar o changelog (o site é bastante confuso) mas a impressão que tenho é de um misto das duas coisas. Recentemente, a plataforma teve lançada a versão 5.0.

O Shopware é baseado no framework Simphony e conta com scripts para migração de dados a partir das principais plataformas. Outra coisa que achei interessante é a oferta de pacotes diferentes para quem quer atualizar uma versão existente ou instalar uma nova loja do zero. Não está adaptada ao Brasil, porém vale a pena ficar de olho nela.

Shopware - imagem: reprodução

7) Shopify

Open source: Não

Instalável: Não

SaaS: Sim

URL: www.shopify.com

O Shopify está disponível apenas para uso como SaaS, não tendo uma versão instalável ou open source. Testei a plataforma há cerca de dois anos e lembro de ter gostado do que vi, mesmo sem os recursos necessários para o mercado brasileiro. Ao acessar o site para escrever esse post, minha primeira impressão era que isso tinha mudado, já que fui direcionado para uma página em nosso português. Essa impressão acabou quando percebi que era uma página traduzida pela metade, com poucas informações se compararmos à página principal em inglês.

Tive dificuldade em entender o que eles estão oferecendo hoje: há uma mensalidade, que começa em $ 29, mas também há uma taxa por transação. Em outro ponto, indicam que se você não usar o leitor de cartão de crédito deles (como?), há uma taxa extra. E fiquei nisso, sem entender nada. Não há indicação se trabalham com os Correios e como meio de pagamento apontado como compatível com o Brasil, reconheci apenas o PagSeguro e o PayPal.

Shopify - imagem: reprodução

8) Volusion

Open source: Não

Instalável: Não

SaaS: Sim

URL: www.volusion.com

O Volusion é outra plataforma que entrou no meu radar há alguns anos e entra aqui apenas como curiosidade. Ela é oferecida apenas como SaaS, a partir de $ 15 por mês e não está disponível para o mercado brasileiro.

Volusion - imagem: reprodução

9) Spree

Open source: Sim

Instalável: Sim

SaaS: Não

URL: www.spreecommerce.com

Essa plataforma é desenvolvida em Ruby e angaria seguidores entre os desenvolvedores que fazem uso dessa linguagem. O interessante é que olhando apenas o site da plataforma eu não consegui descobrir nada, nada além de que posso baixar e instalar o software sem custos de licença e com total liberdade.

Spree Commerce - imagem: reprodução